Geral

Governo pode adiar obrigação de airbag e ABS nos automóveis fabricados no Brasil

Medida estava prevista para entrar em vigor em 2014

Melhoria na segurança dos carros brasileiros deve ficar para depois. Foto: Ieda Beltrão

A melhoria na segurança dos carros brasileiros deve ficar para depois. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou nesta quarta-feira, 11, que, na semana que vem, deverá se reunir com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) para discutir a postergação da medida, prevista para entrar em vigor em 2014.

O ministro esteve reunido com o setor, segunda-feira, em São Paulo. “Estamos discutindo as questões de segurança que seriam acrescentadas a partir de 2014, e estamos preocupados com o impacto sobre o preço do carro, pois elevaria o preço de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil”, disse.

Mantega também disse que o assunto ainda está em estudo, mas é possível que o governo adie a entrada em vigor das exigências. “Hoje, 60% dos veículos já têm os equipamentos e passaria para 100%. Então, nós vamos diferir em um a dois anos. Fecharemos [a decisão] na semana que vem”, disse.

A mudança, imposta pelas resoluções do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) 311/2009 e 380/2011prevê, respectivamente, a instalação de airbag duplo (motorista e passageiro da frente) e freios ABS em 100% dos automóveis fabricados no país.  O Contran, presidido pelo ministro da Justiça, é o órgão máximo normativo, consultivo e coordenador da política nacional de trânsito. A Resolução 380 revogou a 312, que tratava anteriormente da obrigação para freios ABS.

Agência Brasil

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Veja também

Notícias

Fiscalização encontrou impurezas ou elementos estranhos no produto

Geral

Vítimas das chuvas, 34 pessoas seguem desaparecidas

Clima

Do montante aplicado, R$ 70 milhões serão destinados para gastos imediatos de prefeituras

Clima

Presidente faz segunda visita ao Estado após tragédia