No ar:
Santiago Movimenta - Paulo Pinheiro    13h20min às 14h00min

Ouvir!     

» Entretenimento » Literatura


12/10/2021 | 11h20min

Fabricio Carpinejar: "Comecei a escrever bem para me sentir bonito"

Escritor lembra diagnóstico recebido na infância e conta que foi alfabetizado pela mãe

Fabrício Carpinejar enaltece a importância da cultura se manter forte nos dias de hoje. Foto: Reprodução/InstagramFabrício Carpinejar enaltece a importância da cultura se manter forte nos dias de hoje. Foto: Reprodução/Instagram

O patrono da Feira do Livro de Porto Alegre, Fabricio Carpinejar, 48 anos, tem refletido bastante sobre a importância da arte e da escrita em tempos de quarentena. Cronista e jornalista, ele teve a visibilidade ampliada como comentarista do programa Encontro, comandado por Fátima Bernardes na TV Globo. Durante uma hora de conversa com Quem, por telefone, o escritor gaúcho, que soma mais de 20 prêmios literários, fala sobre a importância da cultura se manter forte nos dias de hoje.

 

"A arte me salvou. Quando eu tinha 7 anos, recebi o diagnóstico de retardo mental e minha mãe tirou licença de dois meses do trabalho e me alfabetizou em casa. Ela me ensinou a ler e escrever brincando. Eu não falava, tinha problemas de dicção, sofria muito bullying. Foi escrevendo que eu me encontrei e moldei minha personalidade. A escrita é um palco onde ninguém vai te interromper. Você tem espaço para o crescimento interior. Eu tinha o meu lugar onde poderia ser completamente honesto, não precisaria mentir”, diz ele, filho dos poetas Maria Carpi e Carlos Nejar e autor de livros como Família é tudo, Para onde vai o amor, Minha esposa tem a senha do meu celular e Cuide dos seus pais antes que seja tarde.

 

Casado com Beatriz Reys, Carpinejar gosta de aproveitar o presente, sem fazer idealizações de um futuro dos sonhos. “A gente passa a vida inteira querendo o sucesso, o reconhecimento, mas o importante é ter paz. Paz comigo, saber que estou onde gostaria de estar, estou com quem gostaria de estar, amo o que faço e nada disso pode ser condenado. A vida que eu sonho não impede a vida que eu tenho. A esperança tortura. Você acaba perdendo as situações agradáveis na esperança de algo que espera que aconteça. E só você paga a conta disso. É melhor que você tenha uma via pequena real do que uma grande vida imaginada. Não vivo uma vida imaginária. Vivo a minha vida com capricho. Gosto de capricho, que é valorizar minha esposa, meus pais, meus amigos, meu entorno e não ficar sendo um projeto de alguém que nem sei se vou gostar de ser.”

 

Informações revista Quem


Veja também:


25/10/2021 | 10h46min

» Áudio: Rádio Novela: ouça a minissérie "A História de Fátima"

25/10/2021 | 09h55min

» TV: Agatha Moreira conta que está difícil cuidar do cabelo platinado

25/10/2021 | 09h51min

» Gente: Ana Maria Braga faz tomografia após dores causadas por queda na cozinha


Comentários:


Voltar ao topo