No ar:
Tá em casa - Ieda Beltrão    14h00min às 15h00min

Ouvir!     

» Geral » Saúde


12/09/2020 | 16h04min

Melasma não é somente uma doença de pele como pensam, afirma dermatologista

Caracterizado como uma doença sistêmica, o Melasma pode ser um sintoma de que o organismo não vai bem

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

 

Reconhecido por gerar pontos escuros na face, o Melasma é uma hiperpigmentação que atinge locais do rosto gerando manchas castanho-escuras ou marrom-acinzentadas, de limites bem demarcados e formato irregular. Além de demonstrar uma alteração na qualidade de vida do paciente, a doença impacta a autoestima de forma negativa.

 

Predominante em mulheres — que concentram 90% dos casos —, o aparecimento do problema tem relação com causas multifatoriais, que incluem disfunções na tireoide, alterações hormonais, uso de determinados cosméticos e estresse. “É comum que pacientes relatem em consultório que usaram cremes clareadores, porém as manchas voltaram. Isso ocorre justamente devido à origem da mancha, que não é apenas um ponto de hiperpigmentação isolado, mas um sintoma de que algo não vai bem no corpo, a caracterizando como uma doença sistêmica, ou seja, que afeta todo o organismo”, explica a dermatologista Dra. Hellisse Bastos, que recentemente promoveu um fórum de dúvidas em seu Instagram @drahellisse sobre o assunto.

 

Segundo a médica dermatologista, a doença também vem associada a um quadro de hipoestrogenismo, comum em mulheres que fazem uso de anticoncepcionais ou se submetem à picos de estresse constantes. “O excesso de estrogênio, assim como o cortisol alterado devido aos níveis de estresse, altera o eixo de ACTH, hipotálamo, e faz com que o corpo produza mais hormônios liberadores de melanócitos”, alerta Dra. Hellisse. 

 

Excesso de insulina, estrogênio desregulado, alimentação errada e com base em industrializados e estresse aflorado são alguns dos fatores que devem ser observados e equilibrados em um tratamento para Melasma, elenca Dra. Hellisse Bastos. “Ao contrário do senso comum, o Melasma não surge apenas porque você deixou de usar protetor solar, mas por uma série de deficiências não tradadas”, determina.

 

Caso não tenha sido possível prevenir o aparecimento das manchas, a dermatologista recomenda a procura de um especialista para o tratamento antes do uso de qualquer creme ou método clareador, além de proteger bem a pele. “Quando o ponto de hiperpigmentação já existe, daí sim o uso de protetor se torna um grande aliado para que essa mancha não aumente, já que a exposição provoca o aumento na produção de melanina. Porém, mesmo possuindo o problema, não é recomendado deixar de se expor ao sol, já que a sua falta causa a deficiência de vitamina D”, alerta. 

 

A reposição e equilíbrio da presença de vitaminas D, B12, C, sendo a última um poderosíssimo antioxidante, são exemplos de algumas das deficiências que podem impactar no problema e devem ser tratados. “Ninguém que tem Melasma tem deficiência de uso de protetor solar, mas sim de um conjunto de fatores que levaram ao aparecimento da mancha. Por isso, é mais fácil tratar os desequilíbrios, por que um corpo saudável tem menor propensão a trazer doenças para nós”, garante. 

 

No tratamento, além de inúmeras opções que surgem cada vez mais modernizadas, tais quais lasers, cremes clareadores, entre outros, é preciso associar os cuidados integrais com a saúde do organismo, repondo e equilibrando deficiências para que assim, as manchas não regressem, recomenda Dra. Hellisse Bastos.


Veja também:


25/09/2020 | 10h13min

» Abastecimento: Corsan implanta novo padrão de ligação de água

25/09/2020 | 09h58min

» Internacional: Cães são usados para detectar coronavírus em aeroporto na Finlândia

25/09/2020 | 09h47min

» Pecuária: Segunda fase da campanha contra a aftosa começa em novembro


Comentários:


Voltar ao topo