No ar:
Pátria e Querência - Marco Antônio Nunes e Marcelo Peronio Ramos    16h00min às 17h00min

Ouvir!     

» Geral » Justiça


15/05/2019 | 09h38min

Lei que permite policial afastar agressor da mulher sem aval da Justiça é sancionada por Bolsonaro

A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (14)

O presidente Jair Bolsonaro sancionou uma lei que permite à polícia retirar um agressor do local em que convive com uma mulher que tenha sido agredida por ele, sem a necessidade de aguardar uma decisão da Justiça.

 

A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (14) e permite que delegados ou, na ausência deles, outro policial estabeleça o imediato afastamento do agressor nas localidades que não possuem comarca judicial. No entanto, a Justiça deve ser comunicada da decisão em até 24 horas. Quando for notificada, cabe a ela decidir se a decisão deve ser mantida ou revogada. O Ministério Público também deverá ser comunicado.

 

De acordo com a lei atual, a mulher vítima de violência pede proteção à Justiça e, somente após a análise de um juiz, é que as medidas podem ser aplicadas. Isso leva, em média, 48 horas. 

 

Com a nova norma sancionada por Bolsonaro, se for notado risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher em situação de violência doméstica e familiar ou de seus dependentes, o agressor será imediatamente afastado do local. Autoridades judiciais, delegado de polícia, quando o município não for sede de comarca, ou por um policial, quando a região não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.

 

O texto, que já havia passado pela Câmara em agosto do ano passado, foi aprovado no Senado em abril deste ano.


Veja também:


23/05/2019 | 09h09min

» Música: Inscrições prorrogadas para o 1º Canto Universitário da URI

22/05/2019 | 13h41min

» Educação: Sabedoria de dona Zeni sobre plantas medicinais encantou alunos da escola João Evangelista

22/05/2019 | 11h19min

» Oportunidade: Aplicador de inseticida é uma das vagas do Sine de Santiago


Comentários:


Voltar ao topo