No ar:
Buenas Tarde meu Santiago (1º parte) - Marco Antônio Nunes    17h00min às 18h00min

Ouvir!     

» Geral » Comportamento


16/10/2020 | 15h33min

Aumento da população idosa requer mais cuidados e atenção

Em Santiago, pelo último senso,16% da população tem 60 anos

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

No Brasil a transição demográfica e epidemiológica pela qual atravessou o país modificou a pirâmide etária da população, aumentando a expectativa de vida e a população idosa, acima de 60 anos.

 

Os dados de projeções do IBGE mostram que a população idosa brasileira, até o ano de 2042, deve dobrar na comparação com os números de 2017. O Brasil tinha neste ano, 13,5% o total da população; em 2042 a projeção do IBGE é de que a população brasileira atinja 24,5% de idosos, superando, pela primeira vez o número de crianças e adolescentes.

 

De acordo com a presidente do Conselho Municipal do Idoso de Santiago, professora Claudete Moreschi, no município, conforme o último censo realizado,16% da população tem 60 anos ou mais, demonstrando um percentual de idosos acima da média nacional, evidenciando assim, a importância de uma atenção especial a esta faixa etária.

 

Dentre os diversos cuidados importantes relacionados à pessoa idosa, a dirigente chamou atenção para o risco de queda. Ou seja, quando ocorre o deslocamento não intencional do corpo com incapacidade de correção em tempo hábil, comprometendo a estabilidade da pessoa. As quedas, segundo Claudete, ocorrem em todas as idades, sendo mais frequentes nas pessoas idosas e com maior risco de lesões.

 

“Como a orientação é ficar em casa nesta época de pandemia, o cuidado com a pessoa idosa deve ser redobrado”, acrescenta Claudete Moreschi.

   

 


Veja também:


11/05/2021 | 16h28min

» Meio Ambiente: Realização de podas precisa de licença ambiental

11/05/2021 | 11h05min

» Oportunidade: Motorista de carreta e caseiro estão entre as vagas do Sine de Santiago

11/05/2021 | 10h04min

» Saúde: Segunda etapa da vacinação contra gripe inicia nesta quarta


Comentários:


Voltar ao topo