No ar:

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Saúde


20/03/2017 | 16h45min

Anvisa suspende propaganda de alimento que promete prevenir tipos de câncer

Segundo a agência, somente podem ser feitas em alimentos registrados para este fim

Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada nesta segunda, 20, no Diário Oficial da União suspende todas as propagandas e publicidades que atribuam propriedades terapêuticas, de saúde ou funcionais não autorizadas aos alimentos fabricados, distribuídos ou comercializados por Kaiser Intermediação de Negócios – Eireli.

 

De acordo com o texto, a empresa apresenta diversas propagandas e publicidades que atribuem propriedades terapêuticas, de saúde ou funcionais não autorizadas aos alimentos comercializados em sítios eletrônicos sob sua responsabilidade, tais como: ajudar a prevenir vários tipos de câncer; prevenir doenças do coração; retardar o envelhecimento; combater celulite e gordura; aumentar o desejo sexual e auxiliar na prevenção e combate da impotência sexual.

 

A Anvisa informou que não é permitido o uso de alegações terapêuticas em propagandas de alimentos. Além disso, alegações de propriedades funcionais ou de saúde, segundo a agência, somente podem ser feitas em alimentos registrados para este fim quando forem atendidas as diretrizes básicas para comprovação de propriedades funcionais ou de saúde estabelecidas na legislação pertinente.

 

Ainda de acordo com a publicação, a suspensão se aplica a qualquer tipo de mídia, especialmente aos sítios eletrônicos https://gojiwell.com, https://gojilipo.com.br, https://turboslim.com.br/, https://redenutri.com, https://turboslim.com.br/  e https://xtramaster.com/.


Veja também:


25/03/2017 | 20h15min

» Saúde: No Rio Grande do Sul inicia no dia 10 de abril a vacinação contra gripe

25/03/2017 | 20h11min

» Economia: Com taxas menores, consórcios de imóveis apostam em alta das vendas este ano

25/03/2017 | 20h05min

» Carne fraca: Chile, China e Egito anunciam retomada da importação de carne brasileira


Comentários:


Voltar ao topo